segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Tanta saudade...

Engraçado... a morte da minha mãe parece não ter trazido tristeza... só saudade. Não sei se era o fato dela ser espírita, ler tanto sobre isso. Não sei se era o fato dela ter sido uma pessoa tão serena, tão sorridente, tão carinhosa, que não há revolta. Só saudade.

O que é estranho agora é imaginar que a partir de agora eu vivo num mundo aonde minha mãe não está. Isso significa que qualquer coisa que acontecer na minha vida, ela não estará presente. Qualquer amigo novo que eu conhecer, será um amigo que minha mãe não conheceu. Se eu encontrar um novo amor, não vou saber o que minha mãe pensaria dele. Ela não vai mimar e estragar com presentes nenhum neto. Ela vai estar no céu, olhando a gente. Mas não terei mais aquele colo gostoso para encostar.

Estava olhando muitas fotos. Achei uma foto nossa aonde ela me dava um Cheetos da Hello Kitty. Sim, porque toda baboseira que ela via da Hello Kitty ela me dava. Ela me deu um bonequinho do Big Brother. Quem vai no camelô da 25 de março comprar aquelas latinhas bregas que dançam? e aqueles tuperwares e quinquilharias inúteis do catálogo da Avon? E a lasanha maravilhosa dela, que ninguém da família perdia?

Desde que eu saí de casa, toda viagem que ela fazia (e ela viajava muito mesmo, ou com a gente, ou com as irmãs) ela me trazia uma nova toalha para minha mesa redonda. Ano passado pedi para ela parar, afinal daqui a pouco precisaria não de toalhas, mas de um armário. E ontem a noite, eu saí da casa dela para voltar para a minha, e não tinha ninguém na sacada me vendo sair... acenando...

Mãezinha, será que eu te beijei o suficiente? será que eu fui a filha carinhosa que você precisava?

7 comentários:

Anônimo disse...

Nossa, é de emocionar mesmo. A emoção é (mesmo não conhecendo vcs)de ausência e saudade. Ela não estará mais presente fisicamente, mas como a doutrina espirita diz a prensença e a vigilia agora será em outro plano.
No momento penso na minha mãe.Ela tbm ler livros espiritas, tem uma vida dedicada ao trabalho social e não é nenhum pouco presa as coisas materiais, mas estou me questionando se realmente estou sendo uma filha suficientemente dedicada.
Mta força e luz para sua família.

Leticia

poesia potiguar disse...

querida, sua mãe deve estar orgulhosa de você, da sua força. seus questionamentos são típicos de filha que ama muito...

que linda...

bj

Anônimo disse...

Dizem que nós somos reflexo dos nossos pais...pelo o que você escreve, imagino a pessoa maravilhosa que ela deve ter sido...muita força! Evelin

Bia disse...

Minha querida!!!! Sinto muitíssimo a perda de sua mãe. Tenho uma super mãe que fez no ultimo dia 04 de agosto, 81 anos. O mundo perderia a graça sem a presença de minha mãe e acho que voce deve estar sentindo isso. Muita força neste momento. Um grande beijo

Mara disse...

Letícia e Bia, aproveitem bem a sua mãe enquanto elas estão aqui! eu aproveitei a minha!

Evelin... ela era o máximo mesmo!

Goi... eu a amava e ela sabia... mas eu era a filha que pegava no pé...

Paula Gutierrez disse...

Poxa Marinha...como eu me emocionei ao ler isso, cai no choro!!!
Lendo isso eu pensei muito na minha história com a minha mãe. Vc sabe do que estou falando...porque é minha amiga e confidente. Muitas vezes eu sou a mãe e ela a filha. (Na maioria das vezes, hehehe...) Eu a julgo, a critico e não aceito muitas coisas que ela faz. Mas talvez esteja mais do que na hora de eu aceitá-la da maneira exata que ela é, alegre, brincalhona, namoradeira, e que apesar das loucuras que faz dá a cara pra bater e assume.
É isso minha maiga, agora fica a saudade e as boas lembranças.
Beijinhos...

Julia disse...

Mara Regina hoje fui de novo na casa dos seus pais e quanto tava indo embora me deu um aperto no coração .... olhamos para a varanda e vimos que não tinha ninguém acenando para nós.
Nisso aparece a Miriam na janela do quarto dela e o Edi gritou para ela: e agora?? quem vai ficar vendo a gente ir embora?????? Fizemos a Miriam descer até a varanda e ficra acenando para nós.
Meuu que saudade da Tia.
Beijo