terça-feira, 12 de julho de 2011

Ouvido seletivo

Meu pai escuta a TV cada vez mais alto. E nós sempre reclamando. Até que minha irmã se cansou e marcou uma consulta no otorrino com ele, para averiguarmos a situação. A escolhida da vez para acompanhá-lo fui eu.

Primeira consulta: Explicamos à médica a situação. Ela diz que isso é muito comum, e muito provável pela idade dele. Pede uma audiometria pra sabermos a dimensão da perda. Aproveita e dá uma olhada em ouvido, nariz e garganta, e diz para ele que fisicamente está tudo certo, agora precisamos saber com o resultado do exame se funcionalmente está tudo bem.

Na saída do consultório, ele vira pra mim e diz:
- viu como estou bem? fui elogiado.
- pai, você ouviu o que ela disse? que está tudo bem, mas precisamos saber se o ouvido escuta, por isso o exame.
- não, ela disse que está tudo certo.

E fim de papo. Passou o mês, fez o exame, marca retorno, e hoje vamos lá. Na sala de espera ele já ameaça:
- se mandar usar aparelho, eu não vou usar. Não preciso, é desnecessário que nem o óculos para dirigir!
- se o senhor não vai fazer o que a médica pedir, para que estamos aqui?
- para ela ver que eu estou muito bem.

Entramos no consultorio. A médica constata uma perda auditiva moderada. Explica que é normal da idade. E sugere o uso de aparelho auditivo. Indica 5 lojas, dá uma carta de encaminhamento onde iremos emprestar o aparelho para ele ver qual se adapta melhor, daí fazer um teste com ele, e apenas então comprar o aparelho. Ele então pergunta qual a porcentagem de audição perdida. Ela diz que não dá para quantificar, mas diz para ele não se preocupar, que está no nível normal, só requer uma atenção. E que em termos de compreensão das palavras entende 100% do que é dito, mas precisa que seja mais alto. O que não afeta muito o convívio social dele, que é o mais importante. Ele só teria problemas, por exemplo, ao assistir uma novela, onde muitas pessoas falam ao mesmo tempo.

Saímos do consultório, entramos no elevador e ele diz:
- viu como estou bem? não preciso mudar nada na minha rotina!
- pai, você estava no mesmo lugar que eu? não ouviu o que ela disse?
- ela disse que eu precisava do aparelho para ver novela. Eu não vejo novela, não preciso.

Fim.

(Não sei se me preocupo ou se fico inveja do meu pai, pela capacidade de ouvir só o que lhe interessa...)

3 comentários:

Mariana Pantano disse...

Muitoooo bom!!! Chorei de rir, que figura!

BECA disse...

teu pai é esperto, .... hehehe;
Tenho uma tia q ta ficando meio surda, ela é solteira, e ja tentei convecê-la a ir no otorrino, ... mas ela diz q nao precisa, ...e ela nao vai, mesmo q se eu marcasse a consulta.... pelo menos, teu pai foi,...

bjs

Lilita's World disse...

Não se preocupe, Mara! Isso é a coisa mais comum com a idade avançando... a perda de audição e ouvir apenas aquilo que lhe interessam... Passo por essas situações quase todos os dias com os meus dois babies... um de 86 e outro de 76 anos... risos